A lenda das cobras e a devoção a Nossa Senhora do Alívio

A lenda das cobras do Alívio remonta ao ano de 1818, quando um emigrante português, natural de Vila Verde, estava no Brasil a cortar madeira. Para recuperar da fadiga, decidiu sentar-se naquilo que lhe parecia ser um tronco de árvore mas que, subitamente, se começou a movimentar.

Quando olhou, o português percebeu que se tratava de uma jibóia de grandes dimensões e, na hora de aflição, a solução encontrada foi pedir forças a Nossa Senhora do Alívio para o ajudar a derrotar o animal.

As suas preces acabaram por ser ouvidas, já que conseguiu pegar na faca de mato que trazia consigo à cintura e lutou com a cobra, até a matar.

Como forma de agradecimento à Virgem, decidiu enviar a pele da jibóia para o Santuário do Alívio. A partir de então, o Santuário passou a receber peles de cobra oriundas de várias partes do mundo, onde portugueses que estiveram em apuros apelaram ao auxílio divino.

A lenda permaneceu com o passar dos séculos e, ainda nos dias de hoje, na Casa das Estampas do Santuário (conhecida como Casa das Promessas), podemos contemplar uma imensidão de graças obtidas por intercessão da Nossa Senhora do Alívio, destacando-se os exemplares de peles de jibóia.

VENHA CONHECER SOUTELO!

Santuário do Alívio

Fonte S.Miguel

Praia do Mirante

Cruzeiro dos Evangelistas